Pular para o conteúdo principal

Se o "Comunismo" não presta, o que presta afinal?

Os direitistas vem espalhando para todo mundo que o "Comunismo" (nome que eles dão às ideologias progressistas) não presta, que é cruel, que quer matar toda a humanidade, etc. Se aproveitam do desconhecimento político da maioria da população e espalham esta verdadeira mentira, baseada em estereótipos stalinistas que na verdade nunca passaram de deturpação.

Os direitistas, que nunca foram capazes de convencer de forma lógica e racional sobre seus pontos de vista, ainda continuam sem oferecer alternativas àquilo que eles consideram "nefasto", dando a entender que, se caso os aristocratas tomarem o poder, o acaso fará o trabalho de melhorar a sociedade, sem qualquer tipo de planejamento.

A direita na verdade quer o poder pois ela é gananciosa. Não basta ter muito dinheiro. Eles querem também mandar na sociedade. A eterna luta de classes ignorada pelo senso comum, mas bastante ativa na sociedade brasileira desde que o Brasil foi descoberto, fortalece cada vez mais criando a necessidade da direita em difamar a esquerda por meio de mentiras para favorecer as lideranças oriundas da aristocracia.

Difamar progressistas criando uma espécia de inversão de valores criminalizando a esquerda altruísta e legitimando a direita gananciosa como se trabalhar em prol dos mais pobres fosse ruim enquanto salvar os mais ricos é um ato de caridade enobrecedor. Por isso a necessidade de difamar a esquerda com rótulos pejorativos como "comunista", "petralha", etc..

Mas me impressiona a incapacidade da direita em oferecer alternativas plausíveis, o que serve de comprovação definitiva de sua burrice. Nenhum direitista conseguiu propor algo de positivo para tentar tirar o Brasil da crise. Todas as medidas sugeridas e apoiadas pelos direitistas tem como característica a eliminação de direitos e da dignidade. Trabalhar em prol da coletividade nunca foi o forte de pessoas que tem a ganância e o sadismo como bases ideológicas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Hino Nacional e a realidade do Brasil

O Hino Nacional Brasileiro, apesar de não ser o nosso primeiro hino, é muito antigo. A sua rebuscada letra já não está de acordo com a realidade do país.

Mas com o hábito que o brasileiro herdou do catolicismo de divinizar os símbolos pátrios (a "seleção" também?), ele não pode mais ser mudado, já que a população não quer, talvez por pensar que "foi Deus" quem definiu os símbolos pátrios de nosso país e sua divisão territorial.


Hoje, no Dia da Pátria, resolvi analisar a letra do Hino e comparar o que aparece em seus versos, ao cenário atual de nosso país, mostrando que um de nossos maiores símbolos cívicos, por mais admirável que seja, está completamente fora da realidade que vemos em nosso dia a dia.

Hino Nacional Brasileiro

Letra de Joaquim Osório Duque Estrada (1870 - 1927) e música de Francisco Manuel da Silva (1795 - 1865)

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas / De um povo heroico o brado retumbante - De "brado retumbante", a população bras…

Sandy faz parte do "sertanejo universitário"

Ao entrar esta semana na filial perto de minha casa das Lojas Americanas, estava rolando no áudio da mesma o CD ao vivo de Paula Fernandes. Gente, é impossível não lembrar do cd de estreia da carreira solo de Sandy, filha "artística" de Chitãozinho e Xororó (e filha biológica do segundo).

Sandy espalhou para Deus e o mundo que sua carreira solo seria mais "autônoma", "independente", dando a entender que seria mais "intelectualizada" e "anti-comercial". Mas como a fruta não cai longe do galho, o DNA brega não conseguiu ficar calado e aparece na forma de vibrato na voz da bela cantora.

E o fundo de roquinho usado como base instrumental das novas músicas da Sandy, rapidamente rementem a urbanização da música breganeja conhecida como "sertanejo universitário" (que nada tem de sertão e muito menos de universitário - esta palavra deve estar sendo utilizada como eufemismo de "burguês" ou no sentido de "urbano", par…

A hipocrisia humana em prol das vítimas do acidente com a Chapecoense

Quando uma tragédia gera comoção coletiva intensa - muito graças a um constante estimulo midiático - um exército normalmente ausente em momentos mais urgentes começa mostrar a sua cara forjando uma preocupação social que costuma não ser manifestada.
Um monte de pessoas começou a postar mensagens e mais mensagens sobre a tragédia com os vitimados do citado acidente. As mensagens claro, são muito bem vindas, a gente entende, mas percebendo com atenção a origem de várias mensagens, nota-se que veem justamente de quem não costuma ser solidário de fato com a espécie humana.
Na verdade - embora não sejam todos os casos, mas grande parte deles - se tratam apenas de uma forma de dizer "eu sou bondoso", de usar a tragédia para promoção pessoal, para forjar uma preocupação social, vinda de gente que não mexe um centavo de seu patrimônio para eliminar as desigualdades no Brasil. 
Vários deles fazem parte da elite direitista que apoia as desigualdades, xinga os verdadeiros benfeitores …