Pular para o conteúdo principal

Falso áudio atribuído a Lula é espalhado por direitistas interessados em derrubar o líder petista

Está correndo nas redes sociais um áudio supostamente atribuído a Lula - com uma imitação muito malfeita e caricata, embora feita de forma profissional - em suposta conversa com Rui Falcão, cuja voz (ou imitação de sua voz) não é ouvida no áudio, cheio de palavrões e com possíveis ameaças ao ex-ministro Palocci, que teve que mentir para poder sair da prisão.

Este áudio foi desmentido e é comprovado como farsa. Sabe-se que há muita gente interessada na condenação de Lula e que muito dinheiro e apoio profissional tem sido dado para que pessoas comuns possam dar fachada de veracidade às acusações a Lula, pois esta mesma gente não quer ver um trabalhista no poder, capaz de tirar o supérfluo dos ricos para que os pobres possam ter o necessário.

Sabe-se que entre os interessados estão os integrantes da equipe da chamada "Lava Jato", que praticam tortura psicológica em seus aprisionados para que em forma de delações, aceitas como "provas" com a ajuda da difusão midiática (outra interessada em derrubar Lula) possam condenar desafetos e proteger aliados, independente de verdade ou não dos fatos.

A elite e a classe media que a apoia nunca aceitaram alguém como Lula. Sonham com uma liderança aristocrática, como se apenas aristocratas tivessem capacidade de exercer política em cargos do Poder Executivo. Desde que Lula tomou posse, as elites lutavam para encontrar um jeito de difamá-lo para que ele caísse e abrisse o caminho para a entrada de um aristocrata no poder.

É um trabalho complexo que envolve muito dinheiro e muita gente. Há uma complexa rede em todos os setores da sociedade lutado para a volta da aristocracia ao poder político. A mídia, também interessada, tem sido o instrumento mais importante e ela tem alimentado sites e perfis de fake news para criar boatos que sejam absorvidos como fatos, se aproveitando do escasso conhecimento sobre política de grande parte da população.

Muitos vídeos, áudios, fotos e textos tem sido espalhados na tentativa de incriminar as forças progressistas e principalmente Lula, considerada a maior liderança progressista da atualidade. O papo de "combate a corrupção" é conversa mole que serve mais de desvio de foco e isca para apoio popular. A meta mesmo é tornar o poder uma prerrogativa das elites através da permissão para que apenas um representante dessas elites possa ter o privilégio de governar o país.

Mas tudo tem que ser feito de forma sutil. O motivo do sucesso do golpe é justamente a sua aparência de democracia e da distorção de conceitos que dão a impressão a leigos em política de que tudo está sendo feito de forma democrática, seguindo "o clamor das ruas".

Este áudio é um dos muitos artifícios feitos pelos jagunços das elites para que a imagem de Lula seja a pior possível para que as pessoas mais humildes, que não tem acesso a uma informação verdadeira, possa deixar de votar em um progressista para colocar um aristocrata no poder. É este o plano e muito dinheiro e empenho tem sido gasto para que Lula possa ser definitivamente tirado do páreo das próximas eleições.

Lula deverá estar em Curitiba, sede da "Lava Jato" para dar mais um depoimento. Mas nada impede que ele possa ser preso na ocasião, já que a equipe da operação dá sinais de que são criminosos fora-da-lei e que trabalham a favor da aristocracia, convictamente interessada em acabar com Lula, seja através da difamação, da prisão ou ate mesmo da morte. 

Tempos difíceis no Brasil, em que o melhor presidente brasileiro de todos os tempos é transformado em "maior criminoso do país" para que possa abrir alas para a chegada de um aristocrata ganancioso interessado em transformar o Brasil em uma nação miserável, exportador de commodities e exploradora da população, que trabalhara quase de graça para sustentar os ricos que vivem fora do território brasileiro. Deixamos de ser uma nação para servir de privada dos aristocratas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Hino Nacional e a realidade do Brasil

O Hino Nacional Brasileiro, apesar de não ser o nosso primeiro hino, é muito antigo. A sua rebuscada letra já não está de acordo com a realidade do país.

Mas com o hábito que o brasileiro herdou do catolicismo de divinizar os símbolos pátrios (a "seleção" também?), ele não pode mais ser mudado, já que a população não quer, talvez por pensar que "foi Deus" quem definiu os símbolos pátrios de nosso país e sua divisão territorial.


Hoje, no Dia da Pátria, resolvi analisar a letra do Hino e comparar o que aparece em seus versos, ao cenário atual de nosso país, mostrando que um de nossos maiores símbolos cívicos, por mais admirável que seja, está completamente fora da realidade que vemos em nosso dia a dia.

Hino Nacional Brasileiro

Letra de Joaquim Osório Duque Estrada (1870 - 1927) e música de Francisco Manuel da Silva (1795 - 1865)

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas / De um povo heroico o brado retumbante - De "brado retumbante", a população bras…

Sandy faz parte do "sertanejo universitário"

Ao entrar esta semana na filial perto de minha casa das Lojas Americanas, estava rolando no áudio da mesma o CD ao vivo de Paula Fernandes. Gente, é impossível não lembrar do cd de estreia da carreira solo de Sandy, filha "artística" de Chitãozinho e Xororó (e filha biológica do segundo).

Sandy espalhou para Deus e o mundo que sua carreira solo seria mais "autônoma", "independente", dando a entender que seria mais "intelectualizada" e "anti-comercial". Mas como a fruta não cai longe do galho, o DNA brega não conseguiu ficar calado e aparece na forma de vibrato na voz da bela cantora.

E o fundo de roquinho usado como base instrumental das novas músicas da Sandy, rapidamente rementem a urbanização da música breganeja conhecida como "sertanejo universitário" (que nada tem de sertão e muito menos de universitário - esta palavra deve estar sendo utilizada como eufemismo de "burguês" ou no sentido de "urbano", par…

A hipocrisia humana em prol das vítimas do acidente com a Chapecoense

Quando uma tragédia gera comoção coletiva intensa - muito graças a um constante estimulo midiático - um exército normalmente ausente em momentos mais urgentes começa mostrar a sua cara forjando uma preocupação social que costuma não ser manifestada.
Um monte de pessoas começou a postar mensagens e mais mensagens sobre a tragédia com os vitimados do citado acidente. As mensagens claro, são muito bem vindas, a gente entende, mas percebendo com atenção a origem de várias mensagens, nota-se que veem justamente de quem não costuma ser solidário de fato com a espécie humana.
Na verdade - embora não sejam todos os casos, mas grande parte deles - se tratam apenas de uma forma de dizer "eu sou bondoso", de usar a tragédia para promoção pessoal, para forjar uma preocupação social, vinda de gente que não mexe um centavo de seu patrimônio para eliminar as desigualdades no Brasil. 
Vários deles fazem parte da elite direitista que apoia as desigualdades, xinga os verdadeiros benfeitores …